quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Livros infantis nada convencionais...



Livros infantis pouco convencionais estão causando debate na Suécia, desafiando os conceitos tradicionais de família e os papéis normalmente atribuídos a meninos e meninas.Nos livros de duas editoras suecas, meninos usam sandálias cor-de-rosa, meninas querem ser bombeiros e cientistas quando crescerem, e papai não é necessariamente quem sai para trabalhar enquanto a mamãe fica em casa cuidando do jantar. "Nosso objetivo é dar às crianças a liberdade de criar sua própria identidade, sem padrões pré-concebidos e sem preconceitos de sexo, raça e sexualidade", disse à BBC Brasil a escritora Karin Salmson, co-fundadora da editora Vilda. No livro Magic, Cilla&Baby, de Eva Lundgren, por exemplo, o menino Kasper é ruim de bola e o garoto Olle gosta de maquiagem, enquanto a menina Inger é famosa por seus gols de placa no hóquei e a amiga Ellinor passa os dias tocando guitarra elétrica. Em Sandaler (Sandálias), o personagem Imannuel é um menino que adora seus sapatos cor-de-rosa. Nestas novas coleções infantis, as crianças também podem ter dois pais ou duas mães - casais do mesmo sexo aparecem em vários livros -, ou ser filhos de mães solteiras.
E você, o que acha deste tipo de literatura infantil? As editoras suecas estão certas de tentar mostrar conceitos mais liberais de família e identidade às crianças? Ou deveriam se ater aos modelos mais tradicionais em seus livros infantis?

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Quem é Filipa Melo ?


     Nascida em 1972 na cidade angolana de Silva Porto (atual localidade de Cuito), foi marionetista na série Rua Sésamo (Vila Sésamo, no Brasil).
   Em 1990, iniciou-se como jornalista colaborando com diversas publicações portuguesas e emissoras de televisão: revista semanal Visão, as revistas Grande Reportagem, Tabacaria, Ler e Egoísta, o suplemento Mil Folhas do jornal Público e os semanários O Independente, Expresso e Sol. 
     Pertenceu ao Conselho Deontológico e à Direção do Sindicato de Jornalistas. Recebeu uma Menção Honrosa como Prêmio Revelação, em 1994, pelo Clube de Jornalistas de Lisboa, e o Prêmio Nacional de Cultura Sampaio Bruno, pelo Clube de Jornalistas do Porto, em 1995.
     Em 2001, lançou
Este é o meu corpo, seu primeiro romance. Nesse ano Filipa Melo foi apontada como a grande revelação literária. O romance foi lançado em diversos países e traduzido para o espanhol, francês, italiano, grego, holandês e servo-croata. Os seus contos estão publicados em diversas publicações e antologias portuguesas e estrangeiras.

Este É O Meu Corpo - Filipa Melo


Estou na comunidade L.E desde sua criação e ainda hoje preciso,e com alguma freqüencia, dizer que devo a ela este ou aquele autor ou livro. Ontem enviei ao colega do grupo Volta ao Mundo um dos livros mais surpreendentes que já li:
Este é o Meu Corpo -
Filipa Melo, conseguiu em seu romance de estréia, prender o leitor logo nas primeiras páginas e justamente com a cena voltada para o trabalho de um médico legista. Grotesco? nojento? não com a narração dada pela autora. Já tinha visto isso antes? eu nunca. É um romance de morte e que tem amor. Nas primeira e terceira pessoas as histórias se cruzam com desenvoltura e inteligência. Faz pensar e surpreende. Agrada sem dúvida. Palmas para a estreante.
(próxima postagem: Filipa Melo)

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Qual errante deu vontade de ficar para ti?


Esta foi a pergunta colocada em tópico em agosto de 2007.

Agora, um ano depois passei lá para ver e encontrei:
A Carta de Amor –Cathellen Schine
A Casa do Morro Branco - Rachel de Queiroz
A Casa dos Budas Ditosos – João Ubaldo
A Cidade e a Infância - José Luandino Vieira
A Lenda dos Cem - Gilvan Lemos
A Letra Escarlate - Nathaniel Hawthorne
A Porta – Heloisa Seixas
A Senhora das Savanas - Hilton Marques
Aprendendo a Viver – C. Lispctor
As Brumas Dançam Sobre o Espelho do Rio - Urda Alice Klueger
Canibais - David Coimbra
Cartas a Um Jovem Poeta - Reike
Contos de Fadas Celtas - Joseph Jacobs,
Contos Novos - Mário de Andrade
Cruzeiro do Sul – Urda Alice Klueger
Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios – Marçal Aquino
Lavoura Arcaica - Raduan Nassar

Felicidade - Katherine Mansfield
A Morte da Porta - Estandarte - Aníbal Machado
Maravilhas do Conto Russo, vários autores
Marley e Eu - John Grogan

Do Amor e Outros Demônios - Gabriel García Márquez
Nunca Te Vi Sempre Te Amei –Hellen Hanff
O Amanuense Belmiro – Cyro dos Anjos
O Estandarte da Agonia - Heloneida Studart
O Segredo de Brockback Mountain -Annie Proulx
Ratos e Homens -John Steinbeck
Seleta - Bernardo Élis
Tati, a Garota - Aníbal Machado

Livro Que Te Quero Livre, Werner Zotz e Sueli Cagneti


Livro que te quero livre apresenta de forma abrangente o cenário da literatura infantil e juvenil no Brasil e as experiências de utilização do livro na escola para a formação de leitores.

O livro é dividido em duas partes. Na primeira, o autor de literatura infanto-juvenil Werner Zotz fala sobre o livro e a leitura na escola, sobre o processo criativo e o ofício de escritor, sobre a importância da parceria entre editoras, escritores, livreiros e educadores. Sobre o prazer, a espontaneidade e a liberdade envolvidos na leitura e os cuidados que devem ser tomados para não torná-la sinônimo de obrigação escolar, dever, castigo, chateação...

Na segunda parte, a professora universitária de Literatura infanto-juvenil e crítica literária Sueli Cagneti descreve experiências multidisciplinares de sucesso e dimensiona o papel do professor, valorizando sua importância no processo de formação de leitores capazes de compreender, criticar e refletir com prazer sobre um texto literário.

No final, o livro traz ainda duas listas: uma com sugestões de leitura para os alunos, por faixa etária, e outra com referências bibliográficas de obras de apoio para os professores.

Ganhou em 1986 o Prêmio de Melhor Ensaio do Ano, conferido pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte). Dirigido para professores de Literatura e Língua Portuguesa e educadores em geral, permanece tão atual quanto os desafios enfrentados em sala de aula para despertar nos alunos o prazer da leitura.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Qual a sua sugestão?




Para você, quais os melhores livros publicados nas décadas de 40, 50 e 60?


quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Poesia Paraibana no Recife -

Aldo Lins, poeta paraibano radicado desde 1992 em Recife, convoca poetas paraibanos que residam também em Recife, para a possível formação de uma Antologia intitulada: "A POESIA PARAIBANA NO RECIFE".

Maiores informações:
E-mail: aldoferreiralins@gmail.com

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Saramago .. em breve


MADRI - O escritor português José Saramago acaba de terminar seu novo livro, A Viagem do Elefante, que conta a história real de uma viagem épica de um elefante asiático que, no século 16, viajou de Lisboa para Viena. Em breve, o público brasileiro poderá assistir nos cinemas a adaptação de seu romance Ensaio Sobre a Cegueira, dirigida por Fernando Meirelles, que já tem data de estréia no Brasil, 12 de setembro, com elenco estelar: Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Gael García Bernal e Danny Glover. (Fonte: O Estadão)

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Correios

A comunidade Livro Errante, faz o envio de livros usando o serviço dos Correios; desde que começamos nossas trocas, tivemos toda sorte de dificuldades. Excetuado os carteiros, etapa final do processo, para quem todos nós só temos elogios.
Abrimos um tópico unicamente para trocarmos informações entre nós mesmos já que a maioria das perguntas não tinha resposta nas próprias agências ou franqueadas. No decorrer de nossas trocas apenas uma conclusão, lamentavel é claro: OS ATENDENTES NÃO SABEM AO CERTO O FUNCIONAMENTO DOS CORREIOS - AS INFORMAÇÕES NÃO SÃO PASSADAS OU OS TREINAMENTOS NÃO ESTÃO SENDO EFICIENTES. SE NÃO VEJAMOS:
a) Eu posso enviar como impresso registrado um livro que pese 523g?
O que está acontecendo: em algumas agências sim noutras não. Nessas últimas o limite é 5oog
A resposta: PODE
Como eu sei? já enviei até 3.543g
Como a atendente da agência que uso sabe? digitou o peso e o sistema validou. Hoje a mesma atendente, foi digitando pesos em ordem crescente de 3.560g até 5000g. Todos validados; Por fim digitou 5oo2g e o sistema dos Correios não aceitou.
Por que a atendente fez pesquisa desta forma? porque pedi para ela me mostrar algum informativo dos Correios onde constasse o peso limite. Nem ela nem ninguém tinha nenhuma explicação para isso.
Resposta:Pode-se enviar impresso registrado até o limite de 5kg

b) Posso enviar livro dentro de envelope?
O que está acontecendo: às vezes pode às vezes não pode; depende do(a) atendente e ou da agência ou franquia.
Resposta: PODE
c) Se enviar por envelope tenho de cortar os cantinhos ou não?
O que está acontecendo: sim ou não dependendo do(a) atendente ou agência
Resposta: Se não cortar os cantinhos, o envelope também é enviado. Apenas permite aos Correios a sua abertura. Então, por isso, o atendente coloca um carimbo: "impresso fechado - pode ser aberto pelos correios"
d) Posso enviar impresso em pacote? e o pacote pode ser fechado?
Resposta: Pode para ambas as perguntas. No caso de enviar fechado, tal como ocorre com envelope, pode ser aberto pelos correios.

Nota final: O 0800 dos Correios está desativado.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Mulheres lêem mais...

Mulheres são as que lêem mais
Pesquisa mostra que 39% dos brasileiros que lêem livros estão na faixa etária de 5 a 17 anos
Ullisses Campbell e Renata Mariz // Do Correio Braziliense
São Paulo e Brasília - Uma pesquisa divulgada ontem na 20ª Bienal do Livro, em São Paulo, revela que o brasileiro gosta de ler, principalmente as mulheres jovens e de classe média. Segundo o, levantamento, feito pelo Ibope a pedido da organização não-governamental Instituto Pró-Livro, 39% dos 95,6 milhões de leitores de livros no Brasil estão na faixa etária de 5 a 17 anos e outros 14% possuem entre 18 e 24 anos. Os leitores mais jovens também são os que mais lêem. Além em empurrar os índices de leitura para cima, os jovens adolescentes também estão introduzindo novos hábitos na hora de ler. Enquanto nove entre cada adulto com mais de 40 anos de idade prefere ler em locais silenciosos, muitos jovens com idade entre 14 e 17 anos dizem que gostam de ler ouvindo música. Já 14% das crianças com menos de 10 anos curtem os livros ao mesmo tempo em que assistem à tevê.Para dois terços das crianças e adolescentes com menos de 15 anos, o tema é o fator mais importante na hora de escolher um livro para ler. Outra constatação interessante é a influência da família, em especial da mãe, que é muito mais evidente quando se compara o brasileiro que lê com o que não tem o hábito de pegar no livro. Entre as crianças de 5 a 10 anos, 73% delas citam as mães como quem mais as estimularam a ler. A importância feminina é maior no Norte (59%) e no Nordeste (56%) do país, muito acima dos professores. Para pesquisa, o leitor leu algum livro recentemente O bom exemplo dos pais faz a diferença, segundo constatou o estudo. Um em cada três leitores tem lembranças da mãe lendo algum livro e 87% afirmam que os pais liam para eles quando iniciaram o hábito. A influência materna na leitura dos filhos aponta um outro dado curioso: 55% de todos os leitores do país são do sexo feminino, enquanto 45% são de homens. "Os pais perceberam que ler um livro é tão importante quanto praticar um esporte e passaram a cobrar isso dos filhos", atesta a pedagoga Gláucea Marques Honorário, da Universidade de São Paulo.A pesquisa, intitulada Retratos da Leitura no Brasil, revela também que 55,5 milhões de brasileiros gostam de ler e que crianças de 5 a 10 anos consideram a leitura um prazer. "Esse é o melhor resultado que a pesquisa alcançou", ressalta o coordenador do levantamento, Galeano Amorim.Para a realização da pesquisa, foi adotado como conceito a definição de leitor: aquele que declarou, no momento da entrevista, ter lido pelo menos um livro nos últimos três meses: um número de 95,6 milhões de pessoas, ou seja, 55% da população estudada. Crianças com menos de 5 anos não foram entrevistadas. Se considerar aqueles que declararam ter lido pelo menos um livro nos 12 meses anteriores , este número sobe para mais de 100 milhões.Já o não-leitor foi o que declarou, no momento da entrevista, não ter lido nenhum livro nos últimos três meses (o que inclui, para efeito deste estudo, também o leitor que leu em outros meses que não os três últimos ou mesmo que leu ocasionalmente). Esse número é de 77,1 milhões (45% do universo estudado).

Sintetizando...

Leitores:

Mulheres _____________55%
Homens ______________45%

Índice pessoas que lêem com freqüência - por região

Região Sul ___________________________ 75%
Região Sudeste ________________________71%
Região Centro-oeste____________________60%
Região Nordeste _______________________59%
Região Norte__________________________55%

Em que classe social estão os leitores brasileiros:
Classe C ___________________________47%
Classe B _____________________________24%
Classe D _____________________________22%
Classe A ______________________________5%
Classe E ______________________________2%

Por que o brasileiro lê? (opção de mais de uma resposta)

Prazer e gosto pela leitura_____________28%
Lazer________________________________21%
Exigência escolar______________________17%
Necessidade de trabalho_________________9%
Ganhou livro de presente________________3%

Quem influenciou o brasileiro a ler? (opção de mais de uma resposta)
Mãe______________________________ 49%
Professora primária____________________ 33%
Pai__________________________________ 30%
Outro parente__________________________14%
Amigo_________________________________8%

Os dez autores mais admirados

1º Monteiro Lobato
2º Paulo Coelho
3º Jorge Amado
4º Machado de Assis
5º Vinicius de Moraes
6º Cecília Meireles
7º Carlos Drummond de Andrade
8º Érico Veríssimo
9º José de Alencar
10ºMaurício de Souza

Formação de novo leitor

A partir desta quinta-feira (14) até o próximo dia 24 acontece a Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Além da comercialização de milhões de exemplares, estão previstos cerca de 4 mil lançamentos e diversas atividades culturais (em média uma a cada três minutos). Um evento desse porte aguça a nossa vontade de ler. Bom momento para incentivarmos a leitura nas crianças. A prática da leitura é o grande desafio da escola e das famílias para os alunos e filhos. É comum encontrarmos aqueles que não gostam de ler – mas isso só até descobrirem o prazer dessa atividade. Se as crianças fossem estimuladas no lado prazeroso da leitura, teríamos mais leitores e não apenas compradores de livros. A literatura é um dos principais meios de transmissão cultural e, como nos mantém em contato com a imaginação, estimula a nossa criatividade. E como estimular a leitura de uma maneira prazerosa? Por exemplo, visitando a Bienal. O modelo do adulto na sua relação com o material impresso é muito importante. Já ouvi de um professor de português - que tem a tarefa de apresentar a criança aos livros - que pouco lia por falta de tempo. Apenas realizava leituras destinadas aos seus alunos (de ensino fundamental) por obrigação. Muitos pais não lêem e esperam que os filhos leiam. Pais que são leitores servem de exemplo para os pequenos, já que as crianças tendem a imitar as figuras paternas. Mas não vale ser obsessivo por essa atividade, pois aí o efeito pode ser inverso. Em casos em que os pais se dedicam demais à leitura, as crianças interpretam a atividade como algo que tira a atenção que os pais poderiam lhes dar.
Como criar um leitor
Há muitas maneiras de ajudar nessa tarefa. Que tal introduzirmos os livros nos brinquedos dos bebês? Existem vários tipos para eles, como os confeccionados em plástico, que podem ser usados na banheira. Presentear as crianças com livros e incentivar que os dêem de presente aos amigos é outra forma de estímulo. Ler com os filhos e para os filhos sem cobranças é outro passo. Lembrando que a leitura jamais deve ser usada como punição ou tarefa para as férias – pois nesses casos ela acaba associada a algo negativo. Outra maneira de estimular as crianças é freqüentar livrarias para conhecer e comprar livros e revistas. Assim, os pequenos entram em contato com os materiais de leitura, encontram temas de seu interesse e descobrem outros que ainda não conhecem. Algumas lojas têm cantinhos agradáveis para que se leia lá mesmo. E isso também pode ser feito nas bibliotecas, onde podemos emprestar livros sem custo. Nessas situações, é a criança quem deve escolher o que será comprado ou emprestado. Aos pais compete a seleção prévia para garantir a qualidade daquilo que ela irá ler e que esteja dentro de suas possibilidades intelectuais. E é importante ficar atento, pois toda leitura transmite valores. E o problema não deve ser o preço: existem livrinhos infantis que não custam mais que R$ 1 ou R$ 2. Essas são apenas algumas sugestões de como estimular a leitura nos pequenos. Vamos aproveitar a Bienal de São Paulo para também cultivarmos o nosso gosto por ela. Quem sabe nossos filhos se inspiram em nós.
(Ana Cássia Maturano é psicóloga e psicopedagoga) retirado do site G1

E VOCÊ? CONSEGUIU NOVOS LEITORES EM CASA? O QUE VOCÊ FEZ PARA QUE SEUS FILHOS GOSTASSEM DE LER?

domingo, 10 de agosto de 2008

A,B,C - grupo especialmente aberto para novatos

Veja aqui os livros ofertados e informe (no tópico A,B,C) qual ou quais você deseja ler.

NOTA: ELEIÇÃO ADIADA PARA DOMINGO - Estamos aguardando a troca de livros.

A) Amêndoa - Nedjma - No Marrocos da segunda metade do século XX, Badra conta a história de sua vida, decidida a não medir palavras ou sensações e a honrar a milenar tradição árabe de escrita erótica. Testemunho excepcional de uma mulher de origem árabe que ousa transgredir o tabu do sexo e do silêncio, assinala um verdadeiro acontecimento: pela primeira vez uma mulher muçulmana se exprime com liberdade sobre sua vida íntima. Badra tem 50 anos e corajosamente decidiu revelar sua trajetória. De sua infância, quando corria descalça, curiosa e despreocupada em sua aldeia. De sua adolescência, quando foi casada contra sua vontade, por conveniência, com um homem muito mais velho, que não demonstrou nenhum respeito ou carinho por sua juventude ou virgindade. De sua fuga para Tânger, que lhe abriu um mundo novo onde as mulheres não viviam apenas para seus maridos. E principalmente sua história com Driss, seu mestre e seu carrasco, homem da alta sociedade que se apaixona intensamente pela tímida e ardente provinciana, e que lhe apresenta um amor total, arrebatado, profundamente sensual.Num relato perturbador e libertino, o livro abre uma janela para a intimidade da mulher muçulmana. Com uma mistura de sensualidade e revolta, a autora mostra que por baixo dos véus e das proibições existe um mundo de desejos e sentimentos esperando para ser libertado. Uma obra cheia de volúpia, incandescente, radiosa, mas que é também um ato político: uma reconquista da palavra e do corpo das mulheres árabes.

B) Blecaute - Marcelo Rubens Paiva
"Dois rapazes e uma garota descobrem ao voltar de uma expedição às cavernas do Vale do Ribeira, que são os únicos habitantes de uma São Paulo deserta. O que teria acontecido? Por que só eles teriam sobrevivido? O que fazer? Perguntas, perguntas e uma única certeza: não dá para largar o livro antes da última página.""Se Marcelo pretendia escrever um desses tais romances que não se pode parar de ler antes da última frase, parece que conseguiu." Paulo Leminski"Blecaute é um romance para quem gosta de ler fantasia. Um livro mais interessado nas palavras usadas para contar sua história do que na mensagem que elas possam transportar."
C) Confissão de Lúcio,A- Mário Sá Carneiro
É uma das obras mais importante de Mário de Sá-Carneiro porque contem três das suas obsessões dominantes: o suicídio, o amor pervertido e o anormal avançando até a loucura.O conto narra um triângulo - Lúcio, Marta, Ricardo - onde os estudiosos vêem em Ricardo o outro de Lúcio, e Marta a ponte de ligação entre eles.Apresentada sob a forma de romance policial.
D - Descoberta da América pelos Turcos, A - Jorge Amado Em 1991, nasce mais um livro de Jorge Amado - escrito por encomenda, em função das comemorações do V Centenário do Descobrimento da América É A descoberta da América pelos turcos, definido por seu autor como um "romancinho" sem compromisso, feito para contar vidas de migrantes árabes na Bahia dos coronéis do cacau. O enredo, curto e hilariante, apresenta a história de um casamento arranjado, mas de difícil realização. Ibrahim Jafet, viúvo e pai de três beldades quer casar sua última filha solteira, a severa e mal-ajambrada Adma. Ao pretendente, oferece sociedade no armarinho O Barateiro, estabelecimento de tradição e administração familiar.Tentado por Shitan, o tinhoso dos muçulmanos, e pelo amigo Raduan, o sírio Jamil vai pensar seriamente no negócio: para herdar O Barateiro, faria o sacrifício de se casar com Adma? Escrito com humor desbocado e o enlevo narrativo próprio do autor, A descoberta da América pelos turcos faz um elogio da mestiçagem dos sangues árabe e baiano, em seus elementos de fraternidade, alegria e erotismo.

E) Estorvo -Chico Buarque
Primeiro romance do compositor, aclamado pela crítica como a grande revelação de nossa literatura. Narrado em primeira pessoa, 'Estorvo' se mantém constantemente no limite entre o sonho e a vigília, projeções de um desespero subjetivo e crônica do cotidiano. E o olho mágico que filtra o rosto do visitante misterioso talvez seja a melhor metáfora da visão deformada com que o narrador, e o leitor com ele, seguirá sua odisséia.
F) Filmes Proibidos - Bruna Lombardi
"Um thriller, uma história de amor. Ela brinca com o gênero nesse seu romance, colocando em cena uma personagem narradora de trinta anos que enfrenta todas as barras, das mais pesadas às mais prazerosas, com humor e nonchalance. Escreve com propriedade e poesia, é inteligente e sábia pra caramba. "
H) Hora da Estrela, A - Clarice Lispector
Em A Hora da Estrela, três histórias se entrelaçam : a da vida de Macabéa (personagem principal de um livro que está sendo escrito por um escritor que reflete sobre si e sobre sua própria produção), a do autor do livro que, embora sem rosto definido, se dá a conhecer nos comentários que faz; e ainda a estória do próprio ato de escrever.""O enredo escrito pelo autor conta a história de Macabéa, proveniente de um meio rude, órfã de pai e mãe, criada a pancadas pela tia [...] De índole passiva, torna-se presa fácil dos mitos e produtos da indústria cultural. Admira as grandes estrelas do cinema e sente-se fascinada pelos anúncios publicitários. [...] A história de Macabéa se resume à sobrevivência quase inumana, pois, para tudo o que sente e deseja, não dispõe de palavras para expressar
L) Love Story- Erich Segal
Sem sinopse

M) Memória de Minhas Putas Tristes - Gabriel García Márquez
Primeira obra de ficção de Gabriel Garcia Márquez em dez anos é uma jóia narrativa. Um conto de fadas: sentimental, implacável, sábio e irônico.Ao revelar a história de um velho jornalista que decide comemorar seus noventa anos com uma noite de amor com uma jovem virgem, Garcia Márquez constrói um hino de louvor à vida e, por extensão, ao amor, já que um não existe sem o outro no imaginário do Prêmio Nobel de Literatura de 1982.
P) Piano,O - Jane Champion
O piano retrata a sofrida trajetória de "Ada McGrath", uma mulher que não fala desde os seis anos de idade e se muda para a Nova Zelândia recém-colonizada. Em companhia da filha, ela conhece seu futuro marido, com o qual não se simpatiza. Para piorar a situação, o noivo, "Alisdair Stewart", recusa-se a transportar o piano de Ada, que é sua maior paixão. Porém, o administrador "George Baines", imediatamente interessado na mulher, adquire o instrumento e promete devolvê-lo caso ela lhe ensinasse a tocá-lo. Com o tempo, as tais aulas de piano vão se tornando encontros sexuais e os dois acabam descobrindo o verdadeiro amor.espero que agrade, o filme é premiadíssimo! é mto intenso! abraços é um prazer participar
R) - Romance As Mulheres de Tijucopapo, Marilene Felinto -Aclamado romance que marcou a estréia da autora na literatura. Narra a viagem de retorno de Rísia à terra onde sua mãe nasceu, a lendária Tijucopapo. No trajeto, ela relembra sua infância. Reparem, não se deixem impressionar pelas primeiras páginas. O livro é bom, instigante, diferente. Resume numa única personagem a trajetória de várias nordestinas.
Pitaco de Regina: aproveitem para conhecer a história das mulheres de Tejucupapo

S -
Silêncio dos Amantes, O - Lya Luft
V) Viajante e Sua Sombra, O - Nietzsche
Viajante e sua sombra é a história de um poeta, filósofo e observador, que segue as trilhas do mundo interior e exterior, monitorado por uma sombra, ora o viajante a segue, ora é ela que o acompanha. Nesta obra o autor se emprenha em uma luta contra a “Moral da auto-renuncia”, fazendo críticas literárias, artísticas, filosóficas e também políticas, mesclando os mais diversos assuntos em pequenas sessões.

sábado, 9 de agosto de 2008

Para entrar na comunidade:

*Faça desbloquio de seus scraps
*Depois de ser aceito(a) PARTICIPE; vá no tópico: errante livre e ofereça um livro emprestado; ele circulará e voltará às suas mãos. Ou, no mesmo topico, peça um livro emprestado: sempre vai ter alguém disposto a ceder.
* Entre em algum grupo que esteja se formando.
Neste momento a comunidade abriu um grupo exclusivamente para novatos. Vá no tópico ABC, veja o que está sendo pedido e participe, basta colocar o título do livro que você oferece, com seu nome ao lado... Seja bem vindo.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Bibliotecário

Nós da comunidade Livro Errante, estamos formando a biblioteca da Escola Municipal Flávio Ribeiro Coutinho da cidade de Umbuzeiro - PB; as doações começaram emmarço e seguirão até fevereiro de 2009. Nenhum dos integrantes é do Estado da Paraiba. Embora seja de nosso conhecimento que organização/catalogação/sistema de empréstimo dos livrinhos deva ser feita corretamente, nenhum de nós é bibliotecário. Por essa razão, pedimos a colaboração voluntária de algum profissional que possa ir até a Cidade de Umbuzeiro. A professora responsável, tem toda a boa vontade e interesse porém precisa de orientação.
Você, que queira colaborar entre em contato conosco através deste blog.
Agradecemos,
L.E

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Recomendo:Balada de Amor ao Vento - Paulina Chiziane


Balada de Amor ao Vento
Sarnau e Mwando protagonizam esta estória de amor. Da juventude à idade madura, com eles percorremos os dias, os meses, os anos, os encontros e os desencontros, a
dolorosa separação, o desespero, o sofrimento e a alegria, as lágrimas e os sorrisos. Atravessamos cidades e aldeias, convivemos com a tradição, aprendemos os costumes e os hábitos de um povo. Sarnau vai crescendo e amadurecendo sob o nosso olhar. Impossível não admirar a coragem, a determinação, o orgulho e a humildade, a firmeza e o carácter desta mulher. E a sua fidelidade, mesmo nas circunstâncias mais adversas, ao amor. Ao seu primeiro e único amor. Mas haverá um reencontro? Serão Sarnau e Mwando capazes de apagar um tão longo e trágico passado? Existirá ainda para eles um futuro a partilhar? «Tu foste para mim vida, angústia, pesadelo. Cantei para ti baladas de amor ao vento. Eras para mim o mar e eu o teu sal. No abismo, não encontrei a tua mão.» Sarnau, tu que assim falaste a Mwando, chegarás a encontrar um pouco de paz? Voltarás a conseguir esboçar no rosto o teu lindo sorriso, há muito perdido no tempo? Abrirás enfim os braços para neles abrigares o amor? Ouvirás a melodia que o vento espalha no universo?
___________________________________________________________________
Acabei de ler o livro acima. Nele Paulina abre o verbo: em Moçambique existe, ainda hoje, a poligamia, o lobolo, a agressão às mulheres. Mas a autora, ao contrário do que poderiamos esperar, faz a denúncia num livro delicioso e até lírico.
Balada de Amor ao Vento é o primeiro livro de Paulina Chiziane, foi lançado em 1990 e não tem edição brasileira, mas vale a pena importar. Leitura muito agradável e reveladora de uma cultura que talvez não esteja tão distante da nossa. Com esse livro P.C tornou-se a primeira mulher moçambicana a publicar um romance

Da autora:
Ventos do Apocalipse: Maputo,1993 e Lisboa, Caminho, 1999.
O Sétimo Juramento. Lisboa, Caminho, 2000.
Niketche: Uma História de Poligamia. Lisboa, Caminho, 2002. *
O Alegre Canto da Perdiz. Lisboa, Caminho, 2008.


Alguns livros disponíveis no Brasil.

Balada de Amor Ao Vento, pode ser adquirido na Amazon.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

"... que vai em frente sem ter com quem contar.."

também adorei sua cartinha que você me respostou, você que saber minha idade sabe eu tenho 13 anos e quando eu não estou na escola eu gosto de ler quando não leio eu brinco com meus irmãos sabia que eu tenho mais quatro irmãos e que eles vive dizendo se ela te levar eu vou matala, aí eu digo quem é que vai querer um menino tão preguissoso como é que so eu gosta de ler. sim aqui também tem muitas festas no São João e eu vou escrever quantas vezes poder e não pressiçava dizer para todo mundo de mim eu sou muito tímido sim eu quero aprender muitas coisas sabia que o meu sonho e no futuro ser um bom médico.
todas as vezes que você também escrever eu também vou responder sé você manda tantos invetopes assim porque pelo jeito que você disci você vai a falência

fim por fim
por mim denovo
um abraço e um beijos

(transcrita sem qualquer correção)
********************
Estive recentemente no interior do estado e visitei muito rapidamente a zona rural. Uma coisa de que gosto muito é ouvir conversa de pessoas do interior. Como pra mim gente é só gente mesmo, costumo ouvir todo mundo independente de onde esteja. Daí que posso ouvir fantásticas explicações para a fraca atuação da seleção brasileira de futebol, dada pelo jornaleiro ou mesmo a ciência da fabricação do doce japonês de batata doce fornecida pelo ambulante que vende numa bicicleta e passa aos gripos pelo meu bairro. Puxar conversa é comigo mesma. Dei sorte e nunca houve hostilidade para comigo no que batizei de sociologia- pessoal-da-rua.
Pois bem, estive no agreste de PE. Numa noite na zona rural dois momentos lindos: conheci uma pitombeira. A árvore é linda! Lamentei não estar com máquina fotográfica. A dona da casa me viu embasbacada com a Pitombeira: a senhora não é daqui não, né? como eu ia dizer que era, com essa cara de gringa e tamanha ignorância de pitomba? mesmo sendo, disse que não. Meu Deus, a mulher me chamou para entrar... o que não fiz por já estar sendo chamada para voltar. Disse: venho de novo fotografar a árvore. Ela ficou feliz e não sabe o quanto me deixou feliz também. Só isso.
Mas nem tudo é encantamento, claro. Apesar do romantismo do momento e da paisagem, sai pensando no quanto a boa fé desse povo volta-se contra ele mesmo. Mantidos numa ignorância que só favorece o poder mais mesquinho, são explorados no que têm de mais precioso por raro: a humildade. No trajejo para a cidade a confusão entre revolta e tristeza me levou às lagrimas. Deu uma vontade imensa de ajudar... sim, mas fazendo exatamente o quê? gosto de coisa prática, mão na massa... diferente disso, tô fora.
De outro interior, de outra zona rural, recebi a carta que transcrevi acima. Muito bom saber que ele quer ser um bom médico. Por enquanto o adolescente está num sonho, como o meu diante da pitombeira, mas eu sei que vive numa casa caindo aos pedaços, com mais seis pessoas e não tem nem colchão para dormir. Novamente: o que eu posso fazer? ou melhor, tenho que ajudar. Sem fazer nada é que não posso. Ou então vou emperrar o CD em : "aí me dá uma inveja dessa gente, que vai em frente sem ter com quem contar."
Esse garoto vai ter sim com quem contar.