terça-feira, 6 de junho de 2017

Segunda-feira poética: Carta de Idalzira Para Joan


Foram embora meus cunhados
Meus sobrinhos, meus amigos
Foram enfrentar os perigos
Que existe em outros estados
Hoje estão espalhados
Me dando recordação
Vivo nesta solidão
Velha, cansada e doente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão.


Fomos quatro irmãos unidos
Todos morando por perto
Porém Jesus achou certo
Que ficássemos divididos
Por isto fomos escolhidos
Para esta separação
A mana do coração
Foi embora primeiramente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão.

Também um filho casado
Minha nora carregou
Meus netos também levou
Acabou o meu passado
Vi o mundo fracassado
Cheio de tanta ilusão
Pus a caneta na mão
Escrevi rapidamente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão.

Evandy saiu primeiro
Para fora trabalhar
Depois pôde carregar
Joan que é rapaz solteiro
Erivam foi derradeiro
Todo cheio de razão
Edvany disse: assim não
Vou casar ligeiramente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão.

Primeiro foi Evandy
Que era meu braço direito
Porém Deus achou bem feito
Levá-los todos daqui
Erivan, Joan, Edvany
Foi grande a separação
Só que não suporto não
De todos ficar ausente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão.

O cancão, meu grande amigo,
Canta e pula sem parar
O gato fica a miar
Pensando que não lhe ligo
Porém baixinho lhe digo
Não tenha ciúme não
Que é grande meu coração
Amo a todos igualmente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão.

Hoje é meu aniversário
Mas me sinto muito triste
Não sei como se resiste
Um viver tão solitário
Tá parecendo um calvário
Sexta-feira da Paixão
Porém a ressurreição
Pode chegar de repente
De uma casa cheia de gente
Só resta um gato e um cancão


Fonte: Vermelho
Nota: Cancão é um pássaro.